Ecologia

A economia circular e a sua transformação no modo de vida da sociedade

A economia circular surge como um novo modelo de produção adaptado às expectativas dos consumidores e da natureza.

Cover Image for A economia circular e a sua transformação no modo de vida da sociedade

A partir da conscientização da sociedade, a população tem buscado cada vez mais produtos recicláveis para que não haja agressão ao meio ambiente. Assim, passou a ser desenvolvido um novo modelo econômico o qual supre as expectativas atuais para futuramente suprir as necessidades globais. 

A economia circular surgiu com o propósito de inovar a cadeia de valor, tornando-se a solução para minimizar o consumo de recursos naturais e perdas de energia sem resultar em perda de eficiência e qualidade dos produtos. 

O modelo de produção do mundo segue a ordem de extração, produção e descarte, denominada esta como Economia Linear, a qual gera bilhões de toneladas de resíduos todos os anos. 

Com o aquecimento global e a poluição ambiental frequente, tornou-se necessário a criação e a migração das empresas para um novo sistema baseado na ação do reaproveitamento, evitando assim o desgaste de novos recursos naturais. 

Foi criado então o modelo de produção sustentável nomeado como Economia Circular, o qual se baseia no processo contínuo de reciclagem e absorção de qualquer seja o material. A sua ideia é a de que nada mais se torne lixo e sim que tudo seja reaproveitado.

A sua proposta é tornar os recursos das atividades econômicas infinitos, eliminando a etapa de desperdício do sistema de produção. 

O trajeto da Economia Circular é um processo cíclico que se inicia no reaproveitamento de matéria para produção que em seguida é utilizado, reutilizado, refeito e reciclado, voltando assim o estado de utilização. Desse modo a produção se baseia em um círculo infinito com base no reaproveitamento.

 A economia circular se tornou uma solução econômica sustentável em atuação no presente para um bom resultado no futuro por meio de uma nova linha de pensamento a qual não desassocia o crescimento econômico da ecologia e, consequentemente, do bem-estar humano no consumo crescente de novos recursos. 

 A ideia é a de que haja um aproveitamento inteligente dos recursos que já estão em uso no processo produtivo. A sua carcaça e o seu resíduo são matérias primas para novos processos, produtos ou materiais que podem ser reparados para serem usados novamente mantendo a sua qualidade ou uma superior.

 A tecnologia digital também apoia a economia circular. É por meio dela que há um aumento significativo e cada vez maior na utilização de produtos virtuais, evitando a materialização, ou seja, evitando o gasto com matérias primas. 

 

Diferença entre a Economia Linear e Economia Circular 

No sistema linear o processo de produção é baseado em recursos limitados, o que gera o risco de esgotamento das matérias primas. Com isso a população sofre com um aumento de preços, pois com menos recursos disponíveis o custo de extração e do produto final se torna maior, além do processo em si se tornar mais agravante para a natureza. 

Após a utilização de produtos, chega o momento em que o consumidor se depara com a etapa do descarte que gera um volume de resíduos inutilizados e potencialmente tóxicos para os seres humanos e os sistemas naturais. Essa ação resulta no aquecimento global, a poluição, o desmatamento e o estamento de recursos naturais, ou seja, o que a Economia Linear gera a Economia Circular evita. 

Como a economia das empresas depende do alto consumo de seus produtos, a tendência é sempre aumentar o número de produção, o que causa uma quantidade maior de resíduos futuramente. 

Esses produtos vão desde materiais consumidos uma vez por várias pessoas até aqueles que são consumidos rotineiramente na maior parte do dia do delas, o que gera um grande volume de resíduos sem que as pessoas tenham uma consciência rápida disso.   

Desse modo, a Economia Circular foi criada com a intenção de solucionar esse problema. Ela é baseada no ciclo de vida da natureza, a qual nasce, cresce, reproduz e morre tornando-se em seguida adubo, ou seja, matéria prima para uma nova vida. 

A Economia Circular se baseia na possibilidade de eliminar o conceito de lixo da população ao seguir um processo de fluxo cíclico, o que torna todo material reaproveitado. 

Mas, para a sua realização, é necessário uma compatibilidade técnica e econômica, além de se enquadrar socialmente e institucionalmente, compartilhando dos seus incentivos e valores. A Economia Circular vai além da gestão de resíduos e reciclagem, pois trabalha também com o redesenho dos processos e produtos, trazendo, a partir dos materiais antigos, um novo modelo otimizado, mantendo a qualidade do seu design e a sua eficiência. 

Assim, os seus pilares se baseiam nos valores da extração mínima de recursos e na maximização da reutilização, o aumento da eficiência e o desenvolvimento de novos modelos de negócios. 

Os princípios da Economia Circular 

A economia circular foca no valor do produto e materiais, aproveitando-os no maior período de tempo possível, gerando assim um consumo de curto prazo e uma estratégia ao longo prazo

O preço das matérias-primas varia junto aos riscos de fornecimento. É realizado uma nova relação com o consumidor, programas de retoma e novos modelos de negócio, além de aumentar a competitividade da economia. Com a contribuição da conservação do capital natural, ocorre então  a redução da emissão de gás carbônico e resíduos, além de extinguir as alterações climáticas.

De acordo com a Fundação, a Economia Circular é composta por 3 princípios. São eles:

Princípio 1: Preservação e aumento do capital natural

Todos os recursos necessários para a vida humana vem da natureza. O capital natural diz respeito à responsabilidade sobre o consumo desses recursos básicos da economia de produção. Ou seja, a natureza tem tanto valor como as ações humanas, as quais também são dependentes dos serviços ecossistêmicos. 

Desse modo, se torna necessário o reaproveitamento de materiais para evitar o seu esgotamento. Com a reciclagem, evita-se uma nova retirada de materiais e conserva-se o que já tem e o que pode ajudar na produção com uma maior durabilidade, resultando em um aumento potencial de crescimento econômico sustentável.

Princípio 2: Otimização da produção de recursos

A economia carrega consigo o valor da remanufatura, da renovação e da reciclagem para que os recursos sejam reutilizados sem a necessidade de extrair novos, os quais funcionam por meio de ciclos biológicos ou ciclos técnicos. 

 Os ciclos biológicos garantem a reintegração dos nutrientes da matéria, o que ocorre também na etapa da decomposição. Daí ela se renova para se tornar matéria prima de um novo ciclo. Mas também há aqueles materiais biodegradáveis ou obtidos de matéria vegetal, no seus casos eles retornaram através do processo de compostagem e digestão anaeróbica. 

Desse modo, seguindo o ciclo natural da vida, os materiais serão regenerados para fornecer recursos renováveis à economia.

Já no ciclo técnico, há a restauração e recuperação dos produtos por meio da energia. ‍São utilizadas estratégias de reutilização, reparo, remanufatura ou reciclagem. Há uma predominância em algumas estratégias, pois em menores circuitos internos há menos gasto energético.  

Essas energias preservadas condiz com a mão de obra envolvida na produção e a própria energia. Pois o processo, além de regenerar também prolonga a vida útil dos materiais fornecendo uma garantia ainda maior para a sua reutilização. 

Princípio 3: Tornar o sistema mais ecológico e eficiente

Evitar os danos produzidos pelos produtos e serviços que necessitem rotineiramente dos seres humanos como mobilidade, poluição sonora e liberação de substâncias tóxicas e mudança climática por meio do consumo da terra, ar, água, alimentos e entre outros.

Para um melhor resultado no controle do desperdício de recursos, a ideia é evitar a extração  de matérias primas e evitar a poluição ambiental e sonora para que possa manter um círculo sempre contínuo. 

A tecnologia cooperando com a preservação do meio ambiente

Conclusão 

A ClickCard por meio da transformação de cartões de visita impressos em digitais, apoia a economia circular atuando assim na área de tecnologia. A ideia é que evite a utilização de recursos naturais cada vez mais, no caso da ClickCard o papel que é fruto do desmatamento, para que seja mantido uma qualidade de vida para a população e para o meio ambiente.

Você quer saber mais de ecologia ou quer ajudar o planeta transformando um networking em um ato ecológico? Acesse nossos blogs ou baixe o nosso aplicativo pelo Google Play ou App Store.

Copyright 2021 ClickCard ©. Todos os direitos reservados.